Como ler textos em inglês
Autor: Caroline Macedo



       Atualmente existem mais de seis mil idiomas no mundo. Mas desde os primórdios da humanidade a diversidade linguística foi tanta que sempre houve a necessidade de se estabelecer uma Lingua Franca de mediação entre os povos. O que hoje em dia é a função do Inglês, já foi em outros tempos o papel de línguas como Latim, Grego e até mesmo o Português. De tempos em tempos a dinâmica entre os povos muda o que acarreta uma mudança em todo o processo comunicativo ao redor do globo. Os status dos países mudam, quem antes dominava agora é dominado e velhas economias são então substituídas por novas.

 

       A capacidade de ler textos em inglês é, dentre as habilidades referentes à aprendizagem de uma língua estrangeira, a mais fácil de aprender sozinho. Falar, escrever ou até mesmo entender o que é dito requer, muitas vezes, pelo menos, de quatro a seis anos de estudo. Este artigo tem como principal objetivo dar algumas dicas de estratégias para o uso do inglês instrumental, que é a leitura de textos em inglês.

 

       Um estudo realizado em 1997, em livros do “Project Gutenberg”, serviu para determinar as palavras mais comuns na língua inglesa e a quantidade de aparições que as mesmas tinham. A partir deste estudo, foi determinado que as 250 palavras mais comuns de cada texto compunham cerca de 60% de cada texto lido, ou seja, mais da metade das palavras de cada texto apareciam sempre em todos os outros textos. Seguindo com os resultados, foi, também, constatado que de 20 a 25% do restante das palavras mais comuns na língua inglesa eram formadas por cognatos, que são aquelas palavras muito parecidas em ambas as línguas, como por exemplo, possible e possível, radio e rádio, competition e competição etc.

 

       Somando as partes já teríamos algo em torno de 85% das palavras de um texto, o que fazemos então com os 15% restantes? Bom, desses 15% restantes, cerca de 10% representam os falsos cognatos, que são aquelas palavras que possuem uma escrita muito parecida com a do português, mas um significado completamente diferente, como por exemplo, parents = pais (pai e mãe), relatives = parentes; actually = realmente, currently = atualmente etc.

 

       Os outros 5% seriam aquelas palavras que precisariam ser entendidas a partir do contexto ou do uso de um dicionário. É importante lembrar que o vocabulário de um adulto falante nativo é muito extenso e que você certamente não foi tantas vezes assim em um dicionário, certo? Por isso, antes de correr para checar o significado de cada palavra você deve tentar entender o significado delas pelo contexto em que elas estão inseridas.

 

Lembre-se:
Se uma palavra aparece com relativa frequência em um texto, ela certamente desempenha um papel importante na compreensão do todo. Mas se uma palavra aparece apenas uma vez, muito provavelmente não precisaremos nos preocupar com ela.

 
       Algumas dessas 250 palavras mais comuns da língua Inglesa são as palavras de referência – são aquelas que servem para fazer referência a algo ou a alguém já mencionado antes. Elas podem ser os pronomes reto ou sujeito (I, you, he, she, it, we, they), oblíquo ou objetivo (me, your, him, her, its, us, them), possessivo substantivo (mine, yours, his, hers, its, ours, theirs), possessivo adjetivo (my, your, his, her, its, our, their), demonstrativo (this, that, these, those), relativo (who, which, whose, what), e os artigos indefinidos (one, ones, such). Outra parte pertenceria aos verbos auxiliares (do⁄ does, did, have⁄ had), verbo to be (am, is, are), verbos modais (can, could, may, might, must, ought, shall, should) preposições (in, on, out, of, between, under, from etc) artigos (the, a, an) e conjunções (and, but, as, though, for, or, because etc).

 

       Outra parte interessante da aprendizagem do inglês instrumental seriam as estratégias de leitura para ajudar no entendimento de determinados textos.

 

As mais importantes são skimming, scanning e inferência.

• Skimming
Essa técnica consiste em observar todas as informações que o texto apresenta antes de sua leitura propriamente dita, como por exemplo: título, subtítulos, fotos, gravuras, gráficos, datas, desenhos, palavras em negrito ou em itálico, informações numéricas e a fonte de onde texto foi extraído. Algumas questões podem ser resolvidas apenas com essas informações, com a finalidade de se checar o sentido geral do texto;

• Scanning
É o ato de ler com o propósito de se extrair informações específicas de um texto.
Antes de ler o texto, tenha em mente quais são as informações que você deseja obter. Muitas vezes não precisamos ler o texto todo para descobrir o que queremos. Essa técnica consiste em procurar a resposta da sua dúvida no texto a partir de alguma informação contida na mesma. Essa informação pode ser um número, um nome em letras maiúsculas, uma palavra-chave qualquer que você possa encontrar no texto e fazer algum tipo de ligação com a sua dúvida.

• Inferência 
Inferir significa fazer uso dos níveis lingüísticos – sintático, semântico e léxico – a fim de deduzir o significado de uma palavra por meio do contexto (palavras vizinhas). A inferência é uma estratégia de leitura pela qual “lemos” o que não está escrito explicitamente no texto. É como se fosse uma “adivinhação” feita com a ajuda de algumas pistas dadas pelo texto, pelo contexto ou pelos conhecimentos prévios do leitor. Um bom exemplo de inferência são as piadas, pois a gente ri exatamente porque entendeu o que não está dito diretamente no texto.

 

Observando as estratégias, você vai concluir que:
• A compreensão do texto dispensa a tradução palavra por palavra.
• O uso excessivo do dicionário implica em perda de tempo.

 

Sempre que você for ler um texto instrumental, no caso um texto em língua estrangeira, deve:

• Não usar o dicionário neste primeiro momento.
• Atentar para a apresentação visual do texto.
• Atentar para o título do texto (Traduza-o se for preciso, pois há sempre uma correlação entre título e assunto do texto)
• Faça um "brainstorm" do título, analisando todos os possíveis assuntos que possam aparecer no texto, utilizando o seu "previous knowledge", ou seja, aquilo que você já sabe sobre o assunto. Tente prever o conteúdo do texto
• Ler o texto do começo ao fim, partindo do geral para o específico, atentando para:
o as palavras cognatas ("cognate words");
o as palavras conhecidas (palavras que você já sabe em inglês)
• Entender as palavras apenas pelos seus contextos, sem a ajuda de um dicionário.
• Você deve usar o dicionário apenas para entender as palavras mais importantes de cada parágrafo.

 

 

 

Veja o texto abaixo retirado da revista Times Magazine: 

 

Japan's Feeling of Dread Surrounding the Nuclear Crisis Intensifies

By BILL POWELL / TOKYO Wednesday, Mar. 16, 2011




A handout photo shows Tokyo Electric Power Co. Fukushima Daiichi Nuclear Power Plant reactor no. 4 (center) and no. 3 (L) in northern Japan March 15, 2011

 

The 50 workers struggling to contain the fallout at the crippled Fukushima Daiichi nuclear plant faced two significant setbacks Wednesday — both of which appeared to increase the risk of a significant release of radiation into the atmosphere. As thick plumes of steam rose from the stricken Fukushima plant, Japan's Chief Cabinet Secretary, Yukio Edano, said Wednesday morning local time that the containment vessel for reactor unit 3 — one of the three reactors that had been active when the earthquake and tsunami struck last Friday — may have been damaged, apparently in the explosion Monday that destroyed a portion of the building that houses it. The extent of the damage to the containment vessel — the steel and concrete vaults that are the last line of defense against a major radiation leak — was unclear as of late afternoon. The government and Tokyo Electric Power Co., Fukushima Daiichi's operator, now acknowledge that two of the three reactors that were operating at the time of last Friday's 9.0 earthquake and tsunami have since sustained damage to their containment vessels.


The widespread feeling of dread surrounding the nuclear crisis intensified further Wednesday when, for the second consecutive day, a fire broke out at reactor unit number 4, where 15 highly radioactive spent fuel rods are being stored in a pool of water 45 feet deep. The 50 remaining TEPCO workers at the Daiichi plant, who are tasked with trying to cool the reactors down with seawater, were hustled into a protective room as radiation levels spiked higher. They remained there for 90 minutes, but were able to resume work when radiation levels fell. (Reactor Redux: What's Happening at Fukushima-Daiichi?)...”

Para ler o restante do texto, publicado em 16 de março de 2011, clique aqui.





       De acordo com as instruções dadas antes, tente ler o artigo da Revista Times.
Comece pelo mais fácil, a figura; concentre-se no que a imagem pode significar, no que ela mostra (torres de energia, fumaça, coisas reviradas etc.).

 

       Observe informações como autor, local e data, e reflita se essas informações podem significar alguma coisa a mais (By BILL POWELL / TOKYO; Wednesday, Mar. 16, 2011). Neste caso o local e a data podem significar que essa é uma matéria que justamente fala sobre os últimos acontecimentos com relação ao acidente nuclear do Japão.

 

Analise o título:
Japan's Feeling of Dread Surrounding the Nuclear Crisis Intensifies
Agora comece identificando as palavras que você já conhece:
Japan = Japão, Nuclear = nuclear, Crisis = Crise, Intensifies = Intensifica

 

Você já sabe que o título fala algo sobre a Crise Nuclear estar se intensificando no Japão, certo?
Como o título é algo muito importante para o entendimento do texto, faça uma tradução, cheque todas as palavras no dicionário:
“Intensifica o sentimento de medo do Japão acerca da Crise Nuclear” 



       Depois da tradução feita, tente analisar tudo o que você sabe sobre o assunto, ou seja, o que você sabe do Japão, o terremoto, o tsunami, os vazamentos da usina nuclear, o superaquecimento etc.
Só então, depois de todos esses passos, é que você deve começar a ler o texto. Lembre-se de usar as técnicas citadas anteriormente, o skimming, o scanning e a inferência.

 

       O mais importante na leitura de textos em outras línguas é a persistência. Comece aos poucos, com textos pequenos e da sua área de interesse. Lembre-se de usar as técnicas, de fazer uma ambientação sobre o que está sendo lido, use o seu conhecimento prévio e principalmente não tenha medo de não usar o dicionário, muitas vezes ele funciona como uma muleta para alguém que não precisa dela, ou seja, só faz com que você ande mais devagar e canse mais rápido conseqüentemente fazendo com que você desista da sua “caminhada”.





Caroline Macedo é formada em Letras (Português-Inglês) na Universidade Federal do Rio de Janeiro e é Consultora de idiomas da Fundação Homem do Mar.